Reflexões

Elevação: o talento também tem um imperativo moral…

Surge este post de um artigo de opinião do genial Francesco Alberoni, intitulado “A boa gestão foi suplantada pelos interesses privados”.

Neste artigo, Alberoni faz uma reflexão sobre o potencial de criação de valor que se poderia aproveitar quando há o devido alinhamento entre a liderança, a organização e a gestão.

Dissecando o que deverão ser as práticas virtuosas nas três dimensões referidas, Alberoni acaba por destacar a importância da genuinidade de quem proclama uma visão, da resiliência de quem a implementa, bem como da elevação que o exercício da gestão exige, sobrepondo o bem comum ao ganho individual (o que leva ao repúdio das “hidden agendas” de certos gestores, mais preocupados com a gestão do poder nas empresas) – cf. o meu post “Inteligência Emocional na Gestão dos Talentos“.

Uma gestão virtuosa, produto do exercício de um líder talentoso, obedece pois também a este imperativo moral, que gera o reconhecimento necessário para que haja uma boa “seguidança” 🙂

Votos de boa leitura 😉