Eventos, Factos, Reflexões

Angola com saudade

De Saurimo até Catoca…

Após uma semana de intenso trabalho em Angola, estou prestes a regressar a Lisboa.

Como referi no meu post anterior, desta vez a experiência levou-me até ao extremo nordeste do país, no planalto da Lunda. Na Sociedade Mineira da Catoca, tive o desafio de colaborar com uma equipa dirigente dinâmica e multifacetada, que retrata o mosaico inter-cultural que compõe o capital humano deste potentado diamantífero.

Terminei o meu último post dizendo que iria tomar contacto com a fibra desta equipa… pois bem, confirmaram-se as minhas melhores expectativas! Encontrei uma equipa de gente boa, calorosa e boa anfitriã, que me fez sentir em casa desde os primeiros minutos.

Encontrei também uma equipa de gente empenhada, preocupada com o futuro da sua organização e do seu país, com orgulho no contributo que todos os dias dão para ambos.

Trabalhei com um grupo de pessoas muito diversificado nas suas origens: brasileiros, angolanos, portugueses e até russos! No caso destes últimos, nem a barreira linguística foi obstáculo a um trabalho fortemente profissional e produtivo!

Vista do apartamento
Complexo de Catoca: vista do meu alojamento

A diversidade também se verificou nas áreas de conhecimento com que contactei: geologia, engenharia, gestão, economia, biologia, etc. Todos dos melhores do mundo nas suas áreas de especialidade, mas sempre com uma vontade de aprender enorme! Espero ter podido ajudá-los com o meu contributo. Eu de certeza aprendi muito com eles 🙂

 Regresso assim a Lisboa cansado mas com uma agradável sensação de missão cumprida. Mais uma viagem a Angola que se torna numa boa história para contar. Outras se seguirão certamente!

Deixo-vos um vídeo institucional sobre a Sociedade Mineira de Catoca, que vos dará uma ideia daquilo que aqui encontrei. Enjoy it! 😉

Eventos, Factos, Recomendações, Trends

Portugal na Frente

Como os leitores do Mentes Brilhantes já certamente repararam, neste blog não alinhamos com o registo pessimista e depressivo que invade o nosso país, tão carente de auto-estima nesta fase menos fácil da sua História.

Apesar da Troika, apesar do rate de “lixo” da Moody’s, a verdade é que há neste país uma enorme massa de gente com talento e que, todos os dias, ajuda a construir um futuro que queremos intransigentemente que seja próspero e falado em português!

Por isso, optamos por divulgar o que se faz bem em Portugal, optamos por divulgar os talentos individuais e colectivos que existem em Portugal, acreditando que a divulgação dos bons exemplos terá um efeito virtuoso e multiplicador.

Assim, optamos por dizer bem, sem perder naturalmente o sentido crítico. Dizer bem, elogiar, apesar de pouco em voga, não custa dinheiro e faz bem aos visados e àqueles que precisam de ser inspirados.

E sabem o que é fantástico? É descobrir que não estamos sós nesta “cruzada positiva”! 🙂 Acabei de descobrir um grupo fantástico no Facebook, chamado “Portugal na Frente“. E o que faz este grupo? Simples. Adoptou como missão divulgar notícias positivas sobre Portugal.

Os membros deste grupo procuram encontrar notícias que ilustrem o que se faz de bom e positivo em Portugal, os seus maiores méritos e feitos. E sabem qual a novidade interessante? É que para lá dos clichés nacionalistas a que assistimos no famoso vídeo produzido para os finlandeses e que podemos encontrar facilmente no Youtube, a verdade é que há uma imensa quantidade de pessoas e realizações, por vezes pouco divulgadas, que provam que em Portugal se fazem coisas de elevadíssima qualidade, ao nível do melhor que se faz no mundo!

Recomendo vivamente que adiram a este grupo no Facebook,para que ele passe dos 270 actuais “militantes” para os muitos milhares de contribuidores positivos 🙂

Termino com um vídeo que ilustra de forma simples e clara por que devemos amar e ter orgulho no nosso país. Enjoy it! 😉

Eventos, Factos, Reflexões, Trends

Res Publica no feminino

image

Surge este post como nota de regozijo pela eleição de Assunção Esteves para a Presidência da Assembleia da República.
De facto, nos últimos tempos da nossa Res Publica, as chamadas «segundas escolhas» parecem sair muito melhores que as primeiras 😉 vimos isso acontecer com o recente elenco governativo e aconteceu agora com a alternativa a Fernando Nobre.
Por muitos méritos que Nobre tenha (e tem!) como cidadão, havia que perceber que, para ser eleito para a segunda figura do Estado, não basta ter mérito ou talento, mas torna-se essencial também ter o respeito e admiração dos pares (neste caso, dos outros tribunos).
Ora isto requer tempo, trabalho e história em comum, coisa que Nobre, sendo um recém-chegado, nunca poderia ter.
Por isso mesmo, a eleição de Assunção Esteves foi tão expressiva: com uma história meritória e impoluta, em que granjeou respeito e estima ao longo dos últimos vinte anos, seja no Parlamento nacional, seja no Parlamento Europeu, seja no Tribunal Constitucional (no qual foi a primeira mulher, mais uma vez).
Para além disso tem outros méritos, que destaco:
a) a sua juventude e jovialidade;
b) o seu espírito crítico e independência, que a leva a decidir pela sua cabeça e não por obediência partidária;
c) o seu sentido de humor, de estética e de fina elegância, como vimos no discurso da sua eleição;
d) por fim, o seu entusiasmo em aceitar o mandato (nos tempos que correm, precisamos de gente não só com capacidade como também com vontade…)
Assim, ao fim de 37 anos de democracia, conseguimos ter uma mulher como segunda figura do Estado!
Para quando o mesmo na Presidência? 😉

Eventos, Factos, Reflexões, Trends

A Res Publica vista por um empresário

Surge-me este post por ocasião da tomada de posse ontem do XIX Governo, que marca seguramente um virar de página nos destinos do nosso país.

É curioso constatar como a nossa forma de ver o mundo muda conforme as nossas circunstâncias e vivências…

Até há dois anos atrás, quando na minha actividade profissional eu me limitava a trabalhar para alguém e esperar um ordenado ao fim do mês, lembro-me que olhava para as eleições como olha um adepto de um clube de futebol para um “derby”: basicamente, torcemos pelo nosso “favorito” e tudo o que de mal aconteça é culpa do adversário ou do árbitro 😉

Dei por mim a mudar radicalmente a minha perspectiva sobre a condução dos destinos da nossa Res Publica quando me tornei empresário. De facto, a responsabilidade de desenvolver um negócio, de gerar receitas, de gerar emprego, de fazer boas transacções e de pagar salários fez com que deixasse de olhar para as eleições como um simples membro de uma claque…

Para mim, mais importante que ganhar o meu “favorito”, o que se tornou absolutamente prioritário é que das eleições saiam soluções governativas estáveis, que durem uma legislatura e que permitam que a economia funcione.

Sejamos claros: não advogo o absoluto pragmatismo tecnocrático dos executivos, devidamente liofilizados numa solução governativa “apolítica”! Isso não existe e todos nós temos preocupações e preferências que devem justificar a opção que se traduz no nosso voto. Sempre votei em consciência e confesso que não entendo quem se queixa da vida e nunca votou, ou quem se abstém de escolher, votando em branco…

Todavia, após a expressão de liberdade que é a opção por via do voto, aquilo que para mim é importante é que o país funcione, e que haja condições para que nos deixem trabalhar.

Ao longo dos últimos tempos, confesso que sentia que Portugal estava semi-esquizofrénico… na verdade, via um país nos noticiários que podia ser definido pela palavra “desastre”, tal era o turbilhão de notícias sobre a crise e as ameaças que pairavam sobre nós. Por outro lado, sempre que saía à rua, encontrava um país diferente: o país de quem continuou a trabalhar, com a serenidade possível, garantindo que tudo continuava a funcionar da melhor forma.

É pois desse país que falo: daqueles que, todos os dias, usam o seu talento para fazer cumprir Portugal. E repito: agora deixem-nos trabalhar!

Não quero deixar de dar aqui uma nota de apreço e esperança relativamente ao novo elenco governativo. Confesso foi uma agradável surpresa por:

  1. Ser um governo de caras novas”, que potencia um refrescamento na forma de fazer política e de olhar os problemas;
  2. Ser um governo com uma média etária surpreendentemente nova, que potencialmente quebra com a tradição de um certo “carreirismo político”;
  3. Ser um governo com uma boa dose de “estrangeirados”, que trazem mundo à governação;
  4. Ser um governo com uma boa dose de independentes, que trazem espírito crítico à governação;
  5. Ser um governo pequeno, que é um exemplo virtuoso e que encoraja a eficácia.

Quero destacar do elenco governativo dois nomes, que me parecem bons exemplos do que pode ser esta mudança de ciclo:

  • Nuno Crato – um dos nomes mais conceituados da nossa Ciência, Nuno Crato é um democratizador da Matemática em Portugal, um divulgador de ciência e um acérrimo defensor do mérito. Dele podemos esperar o melhor para a Educação e Ciência;
  • Paulo Macedo – gestor de renome, que tive o privilégio de conhecer no Millennium BCP, foi talvez o Director Geral dos Impostos mais competente que Portugal já teve. Ninguém melhor para profissionalizar uma área como a Saúde, que precisa de ser eficiente sem deixar de cumprir a sua imprescindível missão.

Resta-me desejar que este Governo tenha a melhor sorte possível, a bem de Portugal. Independentemente das minhas opções pessoais, estes seriam sempre os meus votos enquanto empresário português.

Votos de bom trabalho! 😉

Eventos, Factos, Recomendações, Trends

Bologna for Students

Para fechar bem a semana, mais uma história do que se faz bem em Portugal: o Bologna for Students.

O Bologna for Students é um software de gestão para estudantes, inspirado na Reforma de Bolonha, que aplica os conceitos básicos de gestão à vida universitária: gerir o desenvolvimento de competências, o tempo, organizar tarefas e responder às exigências de Bolonha nas universidades.

Este é um software 100% português, desenvolvido pela Innovation Point, uma start-up tecnológica de Braga. O projecto começou em 2007, e envolveu uma equipa de docentes universitários, coordenada pelo Professor José Mendes, da Universidade do Minho.

O B4S é um software gratuito, financiado por publicidade embutida na aplicação, uma vez que o seu público-alvo (estudantes) não está vocacionado para pagar pelo software que usa. Os mais de 2500 downloads do software só em 2009 confirmam que esta já é uma aposta ganha.

Parabéns ao Bologna for Students!

Deixo-vos um breve vídeo de apresentação do B4S. Enjoy it 😉 !

Eventos, Factos, Trends

Portugal no seu melhor!

Continuando a onda positiva com que quis abrir o ano de 2010,  quero partilhar convosco dois casos do que se faz de melhor no nosso país, e que provam que as novas gerações são muito mais prometedoras do que alguns arautos da desgraça nos querem fazer crer!

Deixem-me falar-vos primeiro da Liliana Fernandes: esta jovem de 28 anos mudou-se há um ano para Fontainebleau, para fazer o MBA do INSEAD. Nesse âmbito desenvolveu um projecto empresarial na área das telecomunicações, cuja qualidade a levou a conquistar o terceiro lugar no INSEAD Business Venture Competition, entre 480 alunos de todo o mundo (ver notícia).

A história da Liliana ilustra o perfil dos talentos do futuro: está recheada de ambição, cosmopolitismo e determinação.

Licenciou-se em Economia na Nova em 2003 e fez Erasmus na Holanda. Começou a carreira na Deloitte e em 2005 volta à universidade, para uma pós-graduação em Finanças. Em 2006 lança-se na sua “aventura global”, indo trabalhar para a Greenwich Consulting, Em Paris e Bruxelas. Em 2007 regressa a Portugal, indo para a KPMG e em 2009 vai então para Fontainebleau, para o MBA do INSEAD.

A partir de agora, a Liliana integra a lista de honra dos alumni de uma das mais prestigiadas business shools do mundo. Parabéns, Liliana!

O outro caso que vos trago é o da Margarida Melo, jovem investigadora e docente portuguesa da Universidade de Coimbra que, com apenas 29 anos, ganhou o Prémio Michelle Cuozzo, da Università degli Studi di Roma (ver notícia).

Margarida Melo desenvolveu a sua tese de doutoramento na área da Geometria Algébrica, tendo desenvolvido uma aplicação informática para reforçar a segurança de comunicações encriptadas.

O prémio, que  atinge um valor de 12 mil euros, visa recompensar o trabalho desta investigadora que, desde há 4 anos, reforça a equipa do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Parabéns, Margarida!

Desafios, Eventos, Trends

Fundação Talento: construir o futuro de Portugal

Estive ontem no jantar de lançamento da Fundação Talento em Lisboa. Foi um prazer e uma honra fazer parte desta iniciativa, um verdadeiro movimento da sociedade civil ao serviço do futuro de Portugal.

Antes de mais quero deixar uma palavra de apreço e admiração para o meu amigo Tiago Forjaz, um dos maiores visionários da minha geração, que ousa sonhar em grande e que se atreve a ser consequente, empreendendo.

O Tiago teve um sonho: fazer do talento a força motriz da competitividade do nosso país. Contra todos os “velhos do Restelo”, contra todas as adversidades, o Tiago tem vindo a construir este sonho nos últimos anos:

  • Primeiro com a iniciativa Star Tracking – a Odisseia do Talento, uma já lendária jornada pela diáspora em que descobriu o imenso talento português espalhado pelo mundo;
  • Depois criando a rede The Star Tracker – a mais inovadora e exclusiva das redes sociais e globais de talento português, com o propósito de ligar o talento espalhado pelo mundo, que ontem já congregava mais de 31.000 membros e, a partir de hoje, sabe-se lá quantos mais (sim: finalmente já podemos convidar talento sem restrições numéricas!);
  • Agora lançando a Fundação Talento, cuja missão é descobrir e apoiar o talento português, transformando-o na nossa imagem de marca no mundo.

Os trabalhos ainda agora começaram: os mais de 600 fundadores que se juntaram em 15 cidades do mundo já contribuíram com centenas de referenciações de talentos a apoiar e de talentos a convidar para Senadores da Fundação.

Mas este esforço de mapeamento agora é global: toda a sociedade civil pode participar!

Por isso, meus amigos, vamos a isso! A Fundação Talento precisa do vosso contributo!

Ao Tiago o meu grande abraço: parabéns pela iniciativa e continua a sonhar! Só assim construímos o Portugal dos nossos filhos…

Deixo-vos com alguns vídeos relacionados com o tema.

Enjoy it 😉