Desafios, Eventos, Factos, Trends

A Mente que nos Move

1415478_593179397421597_692776808_oEscrevo este post para dar testemunho de uma das minhas mais recompensadoras experiências de 2013, que consistiu em dar uma palestra TED.

Para quem não conheça, as palestras TED tiveram início há 27 anos, juntando inovadores das áreas da Tecnologia, Entretenimento e Design. As TED Talks tansformaram-se  numa plataforma global de partilha de ideias e num ponto de ligação para a comunidade global de indivíduos que acreditam no poder das ideias que merecem ser divulgadas. TED convida os principais pensadores do Mundo a partilharem as suas ideias durante 18 minutos, tendo já incluído anónimos e personalidades como Bill Gates, Al Gore, Isabel Allende, Philippe Starck, Gordon Brown, Bill Clinton, Frank Gehry, Paul Simon, Sir Richard Branson, Bono, etc.

Os TEDx, um programa de eventos locais, foram criados pelo TED em 2009, com o objetivo de passar a mensagem de que as ideias merecem ser divulgadas. Estes eventos são totalmente preparados e coordenados de forma independente e têm o intuito de juntar pessoas para a partilha de experiencias de sucesso. Os eventos TEDx são organizados nas cidades de todo o mundo, tendo por base o lado humano e a inovação.

O convite para participar surgiu do meu bom amigo Pedro Coelho, dinamizador do TEDx Boavista, evento que foi lançado em 2012 no coração da cidade do Porto e no qual tive o privilégio de assistir praticamente da primeira fila. A experiência foi fabulosa e, em meu entender, a repetir no ano seguinte. O que eu não imaginava era que iria lá voltar em 2013 como orador 🙂 Se assistir foi um prazer, colaborar foi um privilégio! Obrigado, Pedro!

O mote deste ano no TEDx Boavista era “Move a Mente”, num claro desafio aos oradores para inspirar a plateia com ideias que movessem a nossa mente, que espelhassem o nosso poder criativo e que potenciassem o nosso potencial cerebral. E foi esse o desafio que eu procurei cumprir, com uma palestra intitulada “Mindbuddy: o cérebro como um companheiro de jornada”. O mote desta comunicação foi assim subordinado não ao que nos move a mente, mas sim à mente que nos move 😉

A mensagem que eu procurei passar nos 18 minutos que me estavam concedidos centrava-se no uso que podemos dar ao cérebro como facilitador das nossas performances ao longo da vida. Como imaginam, com um tema destes e a minha tradicional indisciplina, acabei por consumir o dobro do tempo, para desespero da equipa organizativa! 😉 Para me penitenciar, já me propus fazer parte da equipa de staff do evento de 2014, procurando compensar com trabalho árduo os 36 minutos de puro prazer que tive na edição de 2013 🙂

A minha intervenção passou assim por dar um testemunho na primeira pessoa de como usar técnicas muito simples para, por exemplo não agatalhar, ou seja, para não nos deixarmos dominar pelo stress de tal forma que nos vemos limitados a um potencial cerebral equivalente ao do nosso gato lá de casa (sem ofensa para todos os belos felinos que nos alegram os lares!). Sobre o tema do agatalhanço, já escrevi aliás um post detalhado, sob o título “Como (não) agatalhar a malta… ou a neurociência ao serviço da liderança!”. Para evitar o agatalhanço, descrevi brevemente uma técnica conhecida como Freeze Frame, que consiste numa técnica de projeção muito simples que nos permite em poucos segundos baixar os níveis de ansiedade e reduzir o ritmo cardíaco e a pressão arterial. Para quem queira treinar, explico brevemente na palestra como o fazer 😉

Para além desta técnica, explico outras técnicas simples, baseadas na observação ativa e visualização, como formas de “levar o cérebro ao ginásio”, melhorando os caminhos sinápticos que se reforçam com estas práticas de treino mental. Também apresento técnicas de treino como a técnica pre-mortem, que nos ajuda a revenir os imprevistos, tornando-os previstos.

A palestra termina com uma explicação breve de como podemos usar técnicas simples para desenvolvermos um estádio de felicidade que nos torne mais produtivos e resilientes. O essencial destas técnicas está desenvolvido em dois posts meus: “A felicidade como motor do talento” e “Gestão da Felicidade“.

Deixo-vos com o vídeo da minha palestra. Enjoy it 😉

Eventos, Factos, Recomendações, Trends, Uncategorized

Portugal é um sítio irrevogavelmente saboroso! – parte 4

9u16b8Continua a minha cruzada para divulgar o que de bom se faz neste país ou por portugueses no mundo.

Hoje é a vez de destacar a Iogurteria do Bairro.

A história conta-se duma penada: dois jovens portugueses decidiram fazer uma viragem de 180 graus nas suas carreiras profissionais e investir o seu próprio dinheiro num pequeno negócio altamente saboroso 😉 . A Iogurteria do Bairro, a funcionar no Centro Comercial do Campo Pequeno, oferece iogurte e gelados de iogurte, com coberturas de todos os sabores, durante todo o ano e com preços altamente acessíveis. Para ajudar à festa, têm uma oferta óptima e extremamente saborosa para quem, como eu, não pode comer açúcar: o seu gelado natural adoçado com stévia é do melhor que há, e pode levar toppings sem açúcar como sementes de girassol ou nozes (e que bons que ficam!).

Carlos Pinheiro, de 26 anos e formado em Gestão, detetou um nicho de mercado quando se deslocou a Espanha, onde a oferta de gelados de iogurte é bastante vasta, em contraste com o nosso Portugal. Carlos juntou-se ao amigo Pedro Leitão, designer, e rapidamente montaram a Iogurteria, que foi inaugurada no início de Abril. Os dois amigos investiram o seu próprio capital e garantem que “o negócio está a correr bem e recomenda-se”.

Já lá fui pessoalmente e posso garantir que, neste caso, o espírito empreendedor se aliou a uma excelente qualidade do produto (aquilo é mesmo delicioso!) e a um atendimento de enorme simpatia e calor humano 🙂 Fiquei fã e não quero outra coisa!

É possível escolher entre o iogurte natural cremoso, o gelado de iogurte, batidos e ainda o picolé. Depois, é só escolher entre as muitas coberturas disponíveis que vão desde o chocolate derretido, aos frutos variados. Além do sabor absolutamente viciante, estas sobremesas têm a enorme vantagem de terem menos calorias do que os gelados tradicionais e no caso do gelado adoçado com stévia, poderem ser bem tolerados por diabéticos.

Parabéns Carlos e Pedro! Votos de muito sucesso!

Deixo-vos com um pequeno filme sobre sobremesas sem açúcar. Enjoy it!

Eventos, Factos, Recomendações, Trends

Portugal tem uma narrativa porreira, pá! – parte 3

portugal (2)Deixo já hoje aqui o meu post de amanhã sobre coisas boas feitas em Portugal.

Desta feita, o testemunho é dado a uma unidade industrial de excelência que temos em Tondela, bem no centro do nosso Portugal profundo.

Estou a falar da Brose, que fabrica fechaduras para os BMW, mas também elevadores de portas e outros componentes, e não só para esta marca de carros alemã, mas para várias outras.

A Brose foi objecto de reportagem no Caderno de Economia do Expresso desta semana, mas tem sido objecto de outras notícias ao longo do tempo. Composta por mais de uma centena de profissionais talentosos e esforçados, a Brose de Tondela é uma das unidades industriais do Grupo Brose que mais se tem destacado pelos seus bons resultados, e está este ano a recrutar 50 empregados, em pleno contraciclo com a economia nacional.

O que faz a excelência, hem? 🙂

E eu posso atestar pessoalmente este caso, pois tive o privilégio de trabalhar com esta equipa, e sei como são do melhor que há neste país. É nestas alturas que apetece clamar “proudly portuguese”!

Deixo-vos com um pequeno filme sobre o grupo Brose. Enjoy it! 🙂

Eventos, Factos, Trends

Portugal é colossalmente impecável – parte 2

Bandeira Portugal 4Ora aqui se segue um novo post no âmbito da minha campanha para destacar o que de meritório é feito em Portugal ou por portugueses. Só para ver se a nossa auto-estima sobe um bocadinho, ok?

Hoje quero falar-vos do António dos Santos Nunes, que foi capa do Caderno de Economia do Expresso. O António tem 24 anos e já pisou os quatro cantos do mundo. Foi aluno de licenciatura na Católica e fez Erasmus em Copenhaga. Fundou já uma ONG em Moçambique e já trabalhou numa grande consultora – a McKinsey.

Todavia, largou a McKinsey para criar empresas ligadas ao e-commerce. “Aprendi umas coisas, mas criar empresas era o meu sonho…” diz António. Um percurso empreendedor, pois com certeza!

Hoje está no México a gerir a Linio, uma gigantesca “Amazon” para a América latina. Antes, lançou um portal de retalho de Moda na Austrália – The Iconic – e lançou a marca Zalora no Sudeste Asiático.

Será este um dos mais de 40.000 jovens que decidiram emigrar só nos últimos seis meses?

Eventos, Factos, Recomendações

Descobrir o palhaço dentro de nós

EV_3263_20101015547542745000Surge este post a propósito de um dos mais notáveis acontecimentos em que participei no ano de 2012. Estou-me a referir ao TEDx Boavista, uma iniciativa TED promovida localmente, e que decorreu no Palácio de Cristal, reunindo centena e meia de participantes para ouvirem algumas das melhores conversas TED dos últimos tempos.

Começo por dar os parabéns ao meu estimado amigo Pedro Coelho, grande dinamizador desta iniciativa, que, contra todas as adversidades, lá conseguiu colocar de pé este evento inesquecível.

A abrir o evento, não poderiam ter escolhido melhor orador: Mark Mekelburg, fundador da já conhecida e meritória Operação Nariz Vermelho, veio contar-nos como foi que decidiu tornar-se palhaço. Sim, palhaço!!!

Como devem imaginar, este não é o sonho de qualquer mãe para o futuro dos seus filhos. Tipicamente querem que os filhos sejam engenheiros, economistas ou qualquer outra coisa “bem comportada” 🙂 Mas nunca palhaço (excepto provavelmente a TéTé e seus colegas de ofício, que bem sabem como pode ser bom ser palhaço).

Mas adiante: numa pequena conversa de dezoito minutos, o Mark emociona-nos a relatar como descobriu o verdadeiro sentido para a sua vida, contra todas as convenções, mas atribuindo enorme sentido à sua caminhada por este mundo.

E é nisso precisamente que reside o carácter inspirador da sua mensagem: quando ele diz que todos nós temos um palhaço dentro de nós, o que ele pretende dizer é que todos nós temos um propósito na vida, que nos move e ilumina, mesmo que esteja recalcado por debaixo de toneladas de convenções sociais e bom-senso mediano (já sobre isso falei nos meus posts Gestão da Felicidade e A felicidade como motor do talento).

Tipicamente, ele está presente em nós de forma radiosa na nossa infância, sendo que ao longo da vida é possível, se não mesmo provável, que nos vamos esquecendo dele, devagarinho… e por isso mesmo em adultos rimos muito menos do que em crianças, pois não estamos iluminados pelo prazer de fazer aquilo que gostamos e que verdadeiramente representa a essência dos nossos talentos.

Deixo-vos com o vídeo do Mark, verdadeiramente imperdível!

Enjoy it 😉

 

Eventos, Factos, Recomendações

Talento Portugal fora – crónicas de Verão, ep. 2

Surge este segundo post para partilhar convosco outro centro de excelência e talento que Portugal tem e dos quais se fala muito pouco: refiro-me aos Centros Ciência Viva que estão espalhados um pouco por todo o país.

Nascida no âmbito do Programa Nacional Ciência Viva, a Rede Nacional de Centros Ciência Viva é composta por espaços concebidos como espaços interactivos de divulgação científica para a população. Os Centros Ciência Viva têm como objectivo constituírem plataformas de desenvolvimento regional – científico, cultural e económico – através da dinamização dos actores regionais mais activos nestas áreas.

Todavia, a verdade é que, fora os grandes centros nas grandes áreas metropolitanas, o resto da rede não tem tido o destaque merecido. O que é uma tremenda injustiça, atendendo à qualidade do que oferece.

Já visitei vários destes centros com os meus filhos, e nunca me arrependi. Dedicados a temáticas variadas, as exposições são de qualidade, as experiências são imaginativas e didácticas e o pessoal que lá trabalha são de uma simpatia e uma dedicação inultrapassáveis! A eles o meu bem-haja, pois são verdadeiros “heróis anónimos” ao serviço da ciência e da educação! Espero que nenhuma “medida de ajustamento” venha a comprometer o seu futuro, pois fazem-nos falta este tipo de espaços… a melhor forma de os proteger de futuros cortes orçamentais é aumentar o fluxo de visitas, portanto, vamos lá visitar estes belos centros! Levem a petizada que eles vão adorar! 😉

Este Verão visitei o de Constância (dedicado à astronomia) e o de Proença-a-Nova (dedicado à floresta). Foram excelentes passeios e visistas altamente divertidas e educativas. Não deixem de visitar!

Deixo-vos com um vídeo de divulgação, neste caso do Centro Ciência Viva do Alviela. Enjoy it! 😉

Eventos, Factos, Recomendações

Talento Portugal fora – crónicas de Verão, ep. 1

Praia Fluvial do CarvoeiroFindo o período estival e já de regresso ao activo, não resisto a partilhar alguns dos exemplos de “talento aplicado” que encontrei por esse país fora.

Tipicamente quando pensamos em talento, ou nos ocorre falar em gestão dos talentos nas multinacionais, ou em “estrelas desportivas” e transferências milionárias ou, no limite extremo televisivo, ocorrem-nos programas como o “Ídolos” ou o “Masterchef”. Hoje quero falar de outro tipo de talento, que permanece muitas vezes anónimo, ou, no mínimo, discreto.

É um tipo de talento que é feito de aplicação prática no quotidiano, produto da imaginação, esforço e excelência diários de muitos empresários e profissionais por esse Portugal fora, e que nos dão um retrato do País muito menos depressivo do que aquele que aparece nos jornais.

Já em tempos abordei este tema, em posts intitulados “Portugal no seu melhor” e outros equivalentes. Neles, falei de investigadores, banqueiros, CEO’s, atletas, criadores de todo o tipo, entre outros exemplos mais ou menos conhecidos.

Agora falo em pessoas mais comuns, mais discretas, que se ocupam de actividades mais mundanas (ou, pelo menos, vistas como tal!). Mas é precisamente por isso que têm tanto valor: fazem algo de bom, mesmo que não demos por isso de forma bombástica, e quase que damos o que de bom fazem como algo “natural”, como um dado adquirido. Mas não é. Razão pelo qual importa divulgar e acarinhar aquilo que fazem. E é isso que pretendo fazer com estas crónicas de Verão 😉

Começo por vos falar de um exemplo do que se faz bem neste país, do que pode ser um exemplo de excelência ao nível da iniciativa autárquica, neste caso: falo-vos da Praia Fluvial do Carvoeiro.

Para quem não conhece este belo exemplo de turismo e veraneio de qualidade, a Praia Fluvial do Carvoeiro situa-se na localidade que lhe dá o nome, a bela aldeia do Carvoeiro, que dista cerca de 25 minutos de Mação.

Esta praia é uma agradável surpresa para todos aqueles que a visitam, não só pelo enquadramento natural, mas também pela qualidade das suas infra-estruturas.

Tendo feito este ano nas férias um circuito de praias fluviais pela zona Centro de Portugal, tenho de dar o testemunho de que esta foi a que me mereceu o melhor “rate”! Falo-vos de uma praia escondida no meio do pinhal, completamente rodeada de natureza intocada, cuja paisagem vale só por si um prémio! Mas não pensem que o facto de ser isolada a torna menos sofisticada ou confortável: antes pelo contrário!

Esta praia dispõe de pessoal de apoio, incluindo nadadores-salvadores, está infraestruturada com zonas de areal e de relva, bem como bem fornecida de sombras. A zona de banhos está represada, o que significa que não sofre os problemas de falta de caudal em anos mais secos, mantendo sempre a água em circulação, o que garante a sua frescura, limpeza e oxigenação. Por isso mesmo, esta praia tem Bandeira Azul!

Dispõe de vários equipamentos que permitem ao visitante passar ali um dia agradável, como balneários, bar, parque de merendas, churrasqueiras, posto médico, parque de estacionamento e está dividida com zona de banhos para adultos e para crianças (o que permite que as crianças se divirtam à vontade e os pais possam descansar 😉 !).

O isolamento só se nota em algumas rupturas de stock no bar, porque os fornecedores só por lá passam uma vez por semana, mas isso é largamente compensado pela simpatia do pessoal que nos atende 🙂

A tranquilidade com que lá se goza um bom dia de praia leva a que recomende vivamente a que por lá passem a conhecer, ou que lá voltem a apreciar. Este é um bom exemplo de um espaço que foi bem pensado de raiz, bem intervencionado e que está a ser muito bem gerido pela Câmara Municipal de Mação. Parabéns!

Deixo-vos com um vídeo que noticia os prémios que esta praia já ganhou. Enjoy it! 😉